318722 Noticias - Corpo de Mendes Ribeiro Filho cremado  -  Desire Duque




Categoria Geral  Noticia Atualizada em   11/05/2015   às  11:09:28                   
Corpo de Mendes Ribeiro Filho cremado
Em cerimônia reservada a família e amigos, o corpo do ex-deputado federal e ex-ministro da Agricultura Mendes Ribeiro Filho foi cremado na noite deste domingo (10) no Crematório Metropolitano, em Porto Alegre. O político morreu durante a madrugada, na capital.

Jorge Alberto Portanova Mendes Ribeiro Filho tinha 60 anos, 40 deles de vida pública. Ele estava internado desde novembro do ano passado na Santa Casa de Misericórdia e lutava contra o câncer desde 2007, quando recebeu o diagnóstico de um tumor no cérebro.

Durante todo o dia, familiares, amigos, companheiros de PMDB e de outros partidos compareceram ao velório na Assembleia Legislativa para o adeus a Mendes Ribeiro Filho. Bandeiras do Brasil, do Rio Grande do Sul, do PMDB e do Grêmio, seu time do coração, foram colocadas sobre o caixão.
Muitos presentes destacaram o caráter democrático e o perfil conciliador que marcou a trajetória política do ex-deputado, que deixa mulher e três filhos.
Pouco antes das 17h, o vice-presidente da República, Michel Temer, compareceu ao velório. "Deixa o exemplo de competência, de dedicação como grande representante que foi do Rio Grande do Sul, seja na Câmara dos Deputados, quando dele fui colega, seja depois como ministro da Agricultura. É uma pena que tenha ido embora tão cedo. Fará falta a todos nós", disse Temer.

O governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, também foi despedir do correligionário. Ele decretou luto oficial de três dias no Rio Grande do Sul. "Ele era um construtor. Mais do que um conciliador, era alguém que construia as saídas", elogiou Sartori.

A presidente Dilma Rousseff divulgou nota oficial lamentando a morte de seu ex-ministro a Agricultura. No comunicado, ela disse que recebeu a notícia do falecimento do “amigo” com “imensa tristeza”.

“É com imensa tristeza que recebi a notícia da morte do meu amigo, ex-ministro Mendes Ribeiro. Hoje é um dia triste para todos nós que lutamos, como Mendes Ribeiro, pela democracia e por um país mais justo e menos desigual. É com dor que sinto sua partida. Meus sentimentos à dona Fernanda, aos filhos e amigos. Mendes era um amigo leal e um político sempre pronto para o diálogo e a tolerância”, diz o texto.

Trajetória
O ex-ministro da Agricultura era filho do ex-deputado federal e comunicador gaúcho Mendes Ribeiro. Ele ingressou na política em 1974, durante a ditadura militar, ao se filiar ao antigo MDB.

Mendes Ribeiro Filho era graduado em direito. Em 1982, o peemedebista foi eleito vereador de Porto Alegre. Quatro anos mais tarde, elegeu-se deputado estadual, tendo sido reeleito em 1990.

Ao longo de sua trajétória política, Mendes ocupou diversos cargos de destaque na esfera estadual e federal. Ele exerceu mandatos de deputado estadual, deputado federal, além de ter sido secretário de estado e ministro.

Entre 1983 e 1984, Mendes Ribeiro chefiou a Secretaria Estadual da Justiça no governo Amaral de Souza (1983-1987). Na gestão do governador Alceu Collares, o peemedebista comandou a Secretaria de Obras (1994-1996). Já entre 1996 e 1998, chefiou a Casa Civil do então governador do Rio Grande do Sul, Antonio Britto.

No parlamento gaúcho, Mendes ocupou, em 1990, o posto de líder do governo Sinval Guazelli na Assembleia. Em 1994, foi eleito para o primeiro de seus cinco mandados como deputado federal.

No período em que atuou na Câmara dos Deputados, ele liderou a bancada do PMDB e ainda comandou a liderança do governo Dilma no Congresso Nacional.

Político de perfil conciliador, o peemedebista foi convidado pela presidente da República, em 2011 – em meio à "faxina ministerial" que derrubou seis ministros –, a substituir Wagner Rossi no Ministério da Agricultura. Mendes permaneceu no cargo até 2013, ano em que teve de deixar o primeiro escalão para tratar o câncer.

No início de 2014, Mendes se aposentou da Câmara dos Deputados por invalidez, em decorrência do tumor no cérebro.

Fonte: G1

Fonte: circuitomt.com.br
 
Por:  Desire Duque    |      Imprimir